Como escolher e abrir uma conta em corretora de valores

As corretoras de Valores Mobiliários, do popular Corretoras, são instituições financeiras que se responsabilizam por intermediar aplicações financeiras entre investidores e seus investimentos específicos. As corretoras possibilitam que todos investidores tenham acesso a instituições como bancos de investimentos, fundos de investimentos de gestoras independentes, bolsa de valores, entre outros.

Ou seja, através das corretoras pequenos investidores podem acessar e investir seu dinheiro em qualquer empresa de capital aberto (listada na bolsa de valores), em diversos fundos comerciais, Certificados de Depósitos Bancários, e por ai vai…

Hoje em dia as Corretoras negociam os mais diversos produtos, possibilitando investidores a construir e diversificar suas carteiras conforme desejado.

Mais conhecidas pelas negociações em bolsas de valores (ações, opções, derivativos, fundos de índices, entre outros), as Corretoras também oferecem outros produtos muitos interessantes como títulos públicos, fundos investimentos, CDB’s, LCA, LCI, CRA, CRI, debêntures, fundos de investimentos imobiliários, entre outros.

Afinal, como você pode abrir uma conta em uma corretora?

Por que abrir conta em corretora de valores?

Diferente de grandes bancos comerciais, uma corretora oferece muito mais opções de investimentos. Geralmente os bancos estão limitados aos produtos oferecidos por eles mesmo, já uma corretora oferta opções disponíveis por diversas instituições. Através da corretora, o leque de possibilidades é ampliado.

Qualquer pessoa pode abrir uma conta em uma corretora, e para isso não é necessário possuir um grande patrimônio (em outras palavras, ter muito dinheiro). Geralmente as corretoras não cobram nada para você abrir uma conta nelas, e caso elas te cobrem, sugiro procurar outra. Além de que os investimentos podem ser iniciados com valores abaixo de R$ 100, possibilitando geralmente QUALQUER indivíduo começar a investir.

Quando você investe em uma  corretora de valores, quem fica com o seu dinheiro?

Como a corretora é uma intermediadora das operações financeiras entre investidores e investimentos, não é ela que ficará com os valores investidos. A corretora apenas transfere o dinheiro do investidor para o investimento selecionado.

Os recursos investidos estarão sob a custodia das instituições financeiras onde o investimento foi realizado. Por exemplo: em Títulos Públicos o dinheiro estará com o Governo; em CDBs o dinheiro estará com o Banco emissor do CDB; em Ações o Dinheiro será parte do Patrimônio da Empresa emissora da Ação; e assim por diante.

Caso vicie tenha algum montante de dinheiro na conta da corretora, mas não investido, esse recurso sim estará sob custódia da própria corretora.

Mesmo que a corretora seja a qual intermediou o seu investimento, TODO os recursos investidos continuarão nominais e sob a sua propriedade. Mesmo que você invista em diferente ativos, com diferentes custódias e em diferentes corretoras, a propriedade de todos eles continuará sendo sua.

O papel do custodiaste é muito mais importante que o da Corretora em si. Pense na Corretora apenas como a que te mostra onde vicie pode investir, o custodiaste é aquele que ficará com o seu dinheiro e o qual gerará um risco para ele.

Como escolho a corretora de valores?

A escolha de uma corretora é algo importante. Afinal será  a partir dela que escolheremos nossos investimentos e por onde faremos a gestão dele.

Para realizar a escolha ideal, devemos realizar alguns questionamentos:

•Os produtos financeiros que você precisa investir para constituir sua carteira de investimentos são oferecidos pela corretora?

•Quais serão as taxas cobradas pela corretora nos investimentos que irão compor sua carteira de investimentos?

•A corretora cobra taxa de manutenção da conta? Essa taxa compensa os serviços prestados?

•Quais serão os custos de transação que você terá para enviar recursos do seu banco para a corretora de valores? Haverá custo da TED do seu banco para a conta da corretora?

•O site e os sistemas disponibilizados pela corretora são completos e de fácil usabilidade?

•A corretora disponibiliza ferramentas de apoio ao investidor, como gráficos, informações relevantes sobre o mercado, informes de rendimentos para a declaração de imposto de renda, entre outros?

Essas questões são essenciais para que você tenha a melhor experiência de uso da corretora escolhida. Pense assim, se o seu propósito for de aplicar em fundos de investimentos ou em CDBs, então é importante que a corretora disponibilize diversos fundos (ou CDBs) diferentes e de boas gestoras de investimentos (ou bancos). Por outro lado, se você quer investir em ações, então ela deve oferecer um homebroker (sistema da corretora vinculado à BM&FBovespa em que as operações no mercado de ações são realizadas) prático e fácil de usar. Além disso, vale a pena considerar o custo da taxa de corretagem.

Se o investidor pretende aplicar em títulos públicos, vale checar o ranking de agentes de custódia do site do Tesouro Nacional, pois lá é divulgada a lista com as taxas cobradas por cada uma das corretoras.

É importante ressaltar que alguns investimentos precisam, obrigatoriamente, ser intermediádos por uma corretora de valores. Por isso, se o investidor optar por “não abrir conta em uma corretora de valores”, mas quer investir em títulos públicos ou ações por exemplo, pelo próprio banco em que é correntista, na verdade estará aplicando por meio da corretora deste banco, mesmo que não saiba disso. Este é um ponto importante, pois as corretoras dos grandes bancos comerciais costumam cobrar taxas mais elevadas que as demais corretoras do mercado.

Existem diversas corretoras boas no Brasil. Entretanto, o investidor deve ficar sempre atento a possíveis conflitos de interesse (taxas e comissionamentos) em produtos ofertados pelas corretoras.

Todo investimento realizado deve estar alinhado ao perfil e aos objetivos do cliente, não ao percentual de comissão ou de taxas pagas à corretora.

Descubra aqui como estabelecer um planejamento para o seu próprio perfil financeiro.

Como abro uma conta em corretora de valores?

Após entender a razão de utilizar uma corretora e de ter definido a sua. Como, de fato, abrimos uma conta nelas?

A abertura de uma conta  em corretoras de valores costuma ser algo fácil e rápido. NA grande parte todo o processo pode ser feito online, via preenchimento de um cadastro e digitalização de documentos. Após isso vicie só precisa aguardar a confirmação dos seus dados e estará com a conta aberta e pronta para começar a realizar seus investimentos.

Veja a seguir alguns itens que normalmente são pedidos:

Documentos e dados pessoais. Cadastro simples que pede documentos como CPF, RG e dados pessoais como endereço, informações de contato e profissionais.

Informações financeiras e patrimoniais. É preciso cadastrar uma média dos seus rendimentos da sua profissão (salário, distribuição de lucros, pró-labore), valores e rendimentos obtidos com aplicações financeiras e também dados patrimoniais (soma dos valores em bens móveis e imóveis). Esses valores não precisam ser rigidamente exatos. A corretora poderá utilizar estes dados para direcionar produtos mais adequados para cada tipo de cliente, ou até mesmo para ter uma comunicação adequada com cada investidor.

Dados bancários. Cadastro dos dados das contas bancárias que serão utilizadas para transferir recursos para a corretora de valores e também para realizar resgates.

Declarações. Esta é apenas uma lista com algumas perguntas em que o investidor deverá afirmar se é ou não  classificado como investidor qualificado ou profissional, se é pessoa vinculada à corretora, se é ou não pessoa politicamente exposta, entre outras declarações.

Termos e cadastramento de assinatura. O investidor precisa confirmar que concorda com os termos da corretora.

Perfil do investidor (suitability). Toda instituição financeira é obrigada a coletar dos seus clientes o preenchimento de um questionário de suitability, que irá definir o perfil do investidor. Com as respostas desse questionário a corretora irá definir os produtos que serão ofertados para o cliente. Por exemplo, clientes com perfil conservador não terão acesso a investimentos em ações.

Documentos adicionais. Após o cadastro, a corretora escolhida pode pedir ainda o envio de alguns documentos digitalizados, como RG, CNH, CPF e comprovante de residência. Depois de tudo preenchido e enviado a corretora pode levar alguns poucos dias para analisar o cadastro e liberar o login para o investidor.

Transferir dinheiro para a corretora. Para começar a aplicar pela corretora, o investidor terá que fazer uma transferência eletrônica (DOC/TED) do seu banco para a corretora. A conta corrente  da corretora não é em nome do investidor, mas é uma conta em que todos os depósitos devem ser identificados senão são devolvidos. Sendo assim, o investidor somente conseguirá fazer a transferência a partir de uma conta bancária com seu próprio CPF, caso contrário a TED será devolvida à conta de origem. Isso traz mais segurança ao investidor.

Agora é só começar a investir de acordo com o seu planejamento financeiro pessoal!

Facebook Comments